como organizar uma biblioteca escolar

Aprenda a organizar uma biblioteca escolar ideal para alunos e professores!

Toda boa gestão de ensino precisa saber organizar e manter uma biblioteca, um dos lugares mais importantes da escola.

Já dizia o famoso escritor Monteiro Lobato: “Um país se faz com homens e livros”. Já o manifesto da UNESCO para a Biblioteca Pública (1976, p.158-163) afirma que “a biblioteca é a porta de entrada para o conhecimento que fornece as condições básicas para o aprendizado permanente, para a autonomia das decisões e para o desenvolvimento cultural dos indivíduos e dos grupos sociais”.

Convenhamos: você consegue imaginar uma boa escola sem uma boa biblioteca ou sala de leitura? Apostamos que não.

É por este motivo que trazemos neste post dicas-chave para quem deseja implantar uma biblioteca escolar interessante e agregadora para alunos, professores ou qualquer outro indivíduo que faça seu uso em busca da ampliação do saber.

Você vai descobrir suas principais funções e a melhor forma de integrá-la às atividades em sala de aula e ao desenvolvimento do currículo escolar.

Além disso, também vai aprender a definir processos de organização, políticas controle de empréstimos de livros e técnicas de catalogação que podem ajudar no bom funcionamento da sua biblioteca.

Se tiver dúvidas ou sugestões sobre como organizar uma biblioteca, não hesite em deixar seu comentário ao final do post.

Boa leitura!

Como se organiza uma biblioteca?

Existem diversas formas de se organizar uma biblioteca escolar. Mas, antes de começarmos a falar sobre como funciona esta organização, é preciso ressaltar as diferentes funções destas em uma instituição de ensino.

A biblioteca escolar pode ser definida como um centro de recursos educativos que deve estar integrado ao processo de ensino-aprendizagem da escola. A ideia central deste recinto é desenvolver e fomentar a leitura e a informação dos alunos matriculados.

O acervo de uma biblioteca de educação infantil, ensino fundamental e ensino médio deverá ser diferenciado de acordo com o currículo e com a necessidade que os alunos, professores e a comunidade têm daquele acervo.

Este ambiente deverá propiciar a execução de uma série de objetivos educacionais, desempenhando diferentes funções, tais como:

  • Funções educativas: fomento da leitura e da pesquisa; desenvolvimento da criatividade; educação para o lazer; informação e orientação para a vida.
  • Funções culturais: promover, de forma interdisciplinar, diversas atividades culturais no espaço da biblioteca, tais como exposições, concursos literários, saraus literários, feiras de ciências, entre outras, além de proporcionar informação sobre as atividades culturais externas à escola.
  • Funções técnicas: gerenciar e organizar os recursos informacionais; explorar esses recursos e difundi-los à comunidade escolar; facilitar o acesso a esses recursos.

No entanto, infelizmente em muitas das bibliotecas escolares essas funções são deixadas de lado. Isso faz com que as mesmas acabem por serem utilizadas inadequadamente, transformando-se em simples depósitos de livros.

A parte administrativa também têm sido comumente negligenciada, com profissionais pouco capacitados para gerir este lugar tão importante.

Por isso é tão importante investir no planejamento ao conceber a biblioteca e o que vai acontecer naquele espaço da escola. Aquelas escolas que sabem valorizar este fantástico recurso são justamente as que tornarão as bibliotecas suas aliadas no fazer pedagógico, tornando-a uma extensão da sala de aula.

Processos de catalogação

Como falamos acima, existem diferentes formas de catalogação de livros. Porém, a mais comum e a mais utilizada em escolas e universidades de vários países é a Classificação Decimal de Dewey (CDD), um tipo de classificação bastante técnica. Para aplicar este padrão de separação, análise e registro das obras da sua biblioteca, é indicado que se contrate um bibliotecário.

Se o acervo for pequeno, não há problema algum em se usar outros processos mais simples e genéricos. Em escolas de nível básico e de cursos diversos (idiomas, preparação para o Enem, etc.), a própria instituição pode definir suas regras, desde que esse método esteja explicado aos usuários.

É imprescindível também que o acervo possa ser consultado de forma eletrônica, em uma era digital é inadmissível gerenciar este recurso de maneira analógica, além de ser muito mais complicado.

Como definir critérios de organização

O acervo de uma biblioteca pode ser formado não só por livros como também por diferentes tipos de mídia, como periódicos, CDs, DVDs, fitas VHS…Assim, pode ser que você prefira optar por um método mais personalizado de organização da biblioteca. O ideal é sempre procurar aplicá-lo dentro do que faz mais sentido para a instituição.

Se a sua escola é voltada para o ensino infantil, por exemplo, faz sentido que se separe os livros por interesse e faixa etária. Mas se você pretende criar a biblioteca para um cursinho preparatório de vestibular, pode separar os livros por disciplina.

Independente do critério escolhido, reforçamos que é de suma importância criar uma memória externa, como catálogos, bases de dados ou outros mecanismos para que se tenha o controle eficiente do acervo que permita encontrar de forma rápida o item de que se necessita.

Política de empréstimos

Uma vez organizada a biblioteca, é hora de decidir como ela irá funcionar. Para tal, é importante ter definidas regras claras cobrindo pontos como:

  • Proibir escrever, grifar, anotar nos livros ou danificá-los de qualquer forma
  • O limite de exemplares emprestados por vez
  • Tempo máximo de empréstimo e número máximo de renovações permitidas
  • Sistema e critérios para reserva de exemplares
  • Penalidades para o descumprimento de cada regra

Na hora do cadastro dos usuários, é muito importante que eles conheçam as regras antes de alugar alguma obra na biblioteca. Para isso, vale posicionar cartazes em locais estratégicos.

Além das regras de locação de livros, evidenciar as regras durante o uso da biblioteca, como:

  • Manter silêncio
  • Não atender ou falar nos celulares
  • Estabelecer tempo de permanência nas salas de estudo
  • Restrição quanto a alimentação dentro da biblioteca

Mantenha as prateleiras sempre arrumadas

De que adianta ter tudo devidamente catalogado se ao final de cada dia as prateleiras estão fora de ordem? O colaborador responsável pela biblioteca precisa estar encarregado de diariamente percorrer os corredores e verificar quais exemplares se encontram fora de lugar.

Este mesmo funcionário ficará responsável por recolocar os livros devolvidos em seu devido lugar na estante. Os professores também podem ajudar nesta organização: orientando aos alunos a manterem a biblioteca sempre em ordem para que os títulos sejam facilmente encontrados, e o trabalho do organizador ser devidamente respeitado.

Para bibliotecas de maior porte é interessante solicitar aos usuários não retornarem os livros a estante por conta própria. Demora muito mais encontrar um livro fora do lugar do que esperar o responsável guardar no lugar correto.

Conclusão

É consenso entre os educadores que o desempenho escolar flui melhor quando a escola tem uma biblioteca dinâmica, e que isto faz parte de um ensino de qualidade.

Sendo as escolas um espaço de aprendizagem permanente, é mais que necessário que tanto os alunos quanto os professores possam usufruir das coisas boas que lá existem e juntos desenvolverem suas potencialidades.

Isso ajuda a comunidade escolar a crescer. Além de fazer deste lugar uma fonte de experiência, exercício da cidadania e formação para toda a vida.

E você? Como organiza os livros da sua instituição de ensino? Escreva aqui nos comentários a sua experiência com organização de bibliotecas!

guia playground seguro

Deixe um comentário!

0 Comentários

Comente